Avatar jakared

NEGO D’ÁGUA

Esta é uma história comum entre as pessoas ribeirinhas, principalmente na região centro-oeste do Brasil, sendo muito difundida entre os pescadores da região, dos quais muitos dizem já tê-lo visto. Segundo a lenda, o nego d’água costuma aparecer para pescadores e outras pessoas que estão pescando ou navegando em algum rio. Não existem evidências de como surgiu essa lenda, e o que se sabe é que o nego d’água só habita os rios e raramente sai dele, sendo sua maior atividade a de amedrontar as pessoas que por ali passam, seja partindo anzóis de pesca, furando redes, dando sustos em pessoas embarcadas, e coisas desse tipo. Suas características físicas são peculiares: ele seria a fusão de um homem negro e alto com uma criatura anfíbia, e por isso apresenta nadadeiras, sua cor é a do pó, e tem a pele do corpo coberta de escamas.
No site Viva Arraias, que divulga as belezas e tradições dessa cidade e a de sua vizinha Dianópolis, Antero Batista de Abreu Cordeiro (Doca) relata o seguinte:

“Em Tocantins, na divisa do Município de Arraias com o de Taguatinga existe um rio caudaloso com o nome de Rio da Palma. Certa noite de luar bonito, um pescador viu, correndo na praia, um anfíbio de aparência humana, segurando um peixe. Logo em seguida, outro surgiu das águas e foi ao encalço do primeiro, para tentar tomar-lhe a presa. Ele atirou. Um deles caiu morto na areia e o outro fugiu para a água. Por coincidência, havia uma festa de chegada de folia-de-reis próxima ao rio, e todos os festeiros foram ver o nego d’água morto.Quase cem pessoas naquela ocasião afirmaram ter visto ali o anfíbio que tinha forma humana: cabeça grande, baixa estatura, braços longos, e membrana entre os dedos, como um pé-de-pato”.

O site www.valedoriosaofrancisco.com.br também publica material sobre o mito. Para quem não sabe, o vale do rio São Francisco abrange 503 municípios dos estados de Minas Gerais, Bahia, Goiás, Pernambuco, Sergipe e Alagoas, com área 640.000 km2, e população (1999) de 15,5 milhões habitantes. Esse texto diz que “Há quem afirme de viva voz que já viu aquela figurinha atarracada de cabeça grande e olho no meio da testa, o ‘nego d’água’, que habita nos locais dos rochedos do meio do rio, como também escava suas covas na base do barranco da beira do rio, o que provoca tombamento do mesmo. Para afugentá-lo desses locais que terminava alargando o rio, os beiradeiros jogam nesse ponto cacos de vidro, que amedrontam o caboclo d’água. Apesar de viver também fora da água, ele nunca se afasta muito da beira do rio. Quando não gosta de um pescador, afugenta os peixes, tange-os para longe da rede de pesca. Como a caipora, adora fumo, costume que faz com que os pescadores atirem fumo a água para cair nas graças do negrinho que gosta desse agrado, costuma aparecer nas casas de farinha das ilhas ou dos barrancos e noite de farinhada, comumente depois que os trabalhadores se acomodam para dormir, passeando entre os que estão adormecidos, para roubar-lhes fumo ou beiju”.

E prossegue: “Um pescador contou que pescava a noite quando percebeu um vulto de um animal morto boiando na correnteza. Remou apressadamente em direção ao animal, percebendo ao se aproximar que se tratava de um cavalo, e aí tentou encostar a canoa para verificar a marca ou ferro, para avisar ao dono, quando o animal afundou e logo em seguida, a canoa foi sacudida, percebendo o pescador que um nego d’água agarrado à borda da embarcação tentava virá-la. Nesse instante lembrou-se o pescador que trazia um pequeno pedaço de fumo, que imediatamente atirou para o neguinho que dando cambalhotas, desapareceu no fundo das águas. Alguns dizem que existe apenas um nego d'água em todo o rio, outros dizem que são muitos. O fato é que o nego d'água, povoa a imaginação de todo menino beiradeiro, o que sossega os corações das mães, pois a noite os pequenos só se aproximavam da água acompanhados por adultos”.

O texto é encerrado com a afirmativa de que “O fato de ter ficado por longo período isolado desenvolveu, no são franciscano, suas crendices e medos dentro do seu próprio universo. Nada trazido de outras regiões. A maioria dos duendes, bons ou maus, são ligados à água, da qual fazem seu habitat”.

O site da Prefeitura de Juazeiro, na Bahia, também se ocupa do assunto. E diz: “O Nego D’ Água vive no fundo do rio São Francisco. Dizem que ele é meio homem e meio lontra. Conhecido também como compadre das águas, segundo ribeirinhos, ele arrasta as mulheres bonitas que encontra nas margens do rio e leva para o seu reino. Os homens que não ouvem seus apelos, oferecendo-lhe fumo, ele leva-os para o seu reino como escravos. O Nego D’Água gosta de batuque nas proas das embarcações e tem o poder de naufragá-las”.

FERNANDO KITZINGER DANNEMANN
Publicado no Recanto das Letras em 07/08/2006





On September 06 2008 1893 Views



Avatar calangosderua

Calangosderua On 07/09/2008

man seu trabalho ''e'e' muito importante p/ nossa cultura continua maandando braza...belo......


Avatar drawsndraws

Drawsndraws On 06/09/2008

eu não conheço a história, mas eu gostei muito do desenho!
f/f




3 Favorites Groups »

  • dibuj_arte

    Dibuj_arte

    Este fotolog es para mostrar sólo dibujos, ya sean hechos a mano o por otro modo.


  • draw

    Draw

    Drawings. Desenhos. Dibujos. Dessins.



Flash of jakared

  • contente


Tag - Chica
Loading ...