Estimados miembros, os informamos que Fotolog estará inaccesible de forma permanente en las próximas semanas.
El objetivo de esta comunicación es que podáis recuperar todos vuestros datos e informaciones lo antes posible, y en cualquier caso antes del 20 de Febrero del 2016.
Esperamos que podáis continuar con vuestros blogs y compartir vuestras fotos en otras plataformas.
Por favor, haced circular esta información a todos los demás miembros de la comunidad.

Dear members, the Fotolog platform could be permanently unavailable in the upcoming weeks.
We wanted to inform you of this matter, as hosting provider, so you can retrieve your data as quickly as possible and in any event before February the 20th of 2016.
We hope you can continue your blogs and your photos sharing on other platforms.
Do not hesitate to share this information with all other members of the community.

Chers membres, les services Fotolog risquent d'être définitivement inaccessibles dans les semaines à venir.
Nous souhaitions vous en informer, en notre qualité d’hébergeur, afin que vous puissiez récupérer vos données au plus vite et en tout état de cause avant le 20 février 2016.
En espérant que vous pourrez continuer vos blogs et vos partages de photos sur d'autres plateformes.
Pensez également à faire circuler cette information auprès de tous les autres membres de la communauté.

 
Avatar pseudokane3_5

PROCRASTINAÇÃO À DERIVA – PARTE 2 (FIM)

“Hoje não, só amanhã...
Te darei, amor, meu coração
Você já desistiu do meu carinho
E hoje, resolveu ficar sozinho
E eu, não perderá por esperar...
Até amanhã, amor, nesse mesmo lugar!”


Há algumas semanas, assisti à defesa de dissertação de uma colega de Mestrado, cujo tema era o curta-metragem “Mulheres Mangabeiras” (2011, de Rita Simone), sobre uma cooperativa de catadoras de mangaba, fruta típica de Sergipe. O filme é convencional, porém efetivo naquilo que se pretende: mostrar o cotidiano das mangabeiras e seus anseios coletivos, esforçando-se para demonstrar – de maneira um tanto exacerbada – o quanto a atividade extrativista destas mulheres é relacionada ao patrimônio cultural sergipano. Bacana!

No dia em que vi o filme sobre as mangabeiras, adquiri um CD que elas lançaram em 2011, “Canto das Mangabeiras”, no qual as mesmas cantarolam alguns hinos que entoam enquanto trabalham. A faixa de abertura, “Hoje Não”, é uma preciosidade e há outras canções interessantíssimas no disco (“Besouro”, “Papagaio”, “Lavandeira”), mas a seleção é um tanto apressada, reunindo também cantilenas e chorinhos masculinos. Mas é um disco que vale a pena, recomendo!

Aos poucos, enfrento o mal-estar que tanto me incomoda. Na manhã de hoje, acordei como se estivesse com pressão baixa: o braço esquerdo estava dormente e eu não conseguia me levantar da cama. Estou ficando preocupado com isso!

CONTINUA
WPC>


sergipanidade música cinema amizade fruta cultura mestrado mal-estar

On March 13 2014 at Sergipe, Brazil 67 Views



Avatar alexandre2000

Alexandre2000 On 13/03/2014

Maneiro :)
É o filme está sendo muito esperado..
Conversa com o karma as vezes é nostálgico
para mim, não que seja ruim rsrs


Avatar soluteandsolvent

Soluteandsolvent On 13/03/2014

Mangaba é tida como a fruta da minha cidade. Uma vez, minha mãe descobriu por meio de uma amiga dela que é uma fruta super conhecida no nordeste, e ela achou super estranho. Achava que era exclusiva daqui. E, o engraçado, é que aqui já quase não tem Acabaram com todas as magabeiras. Dá um trabalho encontrar as que restaram.
Até :)






Tag - Hair
Loading ...