Avatar espiritosanto


ALFREDO CHAVES

HISTÓRIA

Em 1877 um grupo de imigrantes tiroleses aportou em Benevente (atual cidade de Anchieta). Subiram o rio de mesmo nome e fundaram o povoado de Alto Benevente, que a partir do dia 24 de abril de 1882, ganhou status de distrito, com a denominação de Alfredo Chaves. A povoação se tornou vila. E em 24 de janeiro de 1891 foi emancipado.

A Colonização do Município de Alfredo Chaves

A colonização da atual cidade de Alfredo Chaves teve início quando Dom Pedro II doou 500 ha de terra ao guarda de honra da corte, o português Augusto José Alvares e Silva (Augustão).

A área foi dividida em cinco partes chamadas de Sesmarias: do norte, do sul, do leste, do oeste e Quatinga. A chamada Sesmaria Quatinga se estendia do Rio Joeba à comunidade de São Marcos. O território ocupado por índios, possivelmente TEMIMINÓS, pela proximidade com Benevente (atual Anchieta).

Augustão casou com Macrina Rachel da Conceição, filha de português de Campos dos Goitacazes – RJ, nascida naquele território. Quando o marido morreu, Macréia – como era conhecida -, herdou a sesmaria, e doou a área do cemitério aos pobres escravos que não tinham onde morar.

O lugar se denominou então Povoação de Nossa Senhora da Assumpção. Mais tarde, os jesuítas construíram uma igreja e o local passou a se chamar Povoação de Nossa Senhora da Conceição.

O primeiro grupo de italianos que ajudou a colonizar o atual município de Alfredo Chaves, desembarcou em Benevente (Anchieta) em 1877. De lá os europeus subiram o rio Benevente de canoas até Jabaquara, onde se encontraram em pleno sertão. O rio continuava navegável até a altura da atual sesmaria Quatinga.

Fundaram ali o povoado de Alto Benevente, outros colonos subiram um pouco mais, temendo prováveis enchentes do pequeno rio, mudando-se para um local mais elevado, era 1º de novembro e batizaram o local de Vila de Todos os Santos.

Todos os Santos, hoje distrito de Guarapari, pertencia ao Quinto Território da Imperial Colônia de Rio Novo.

Uma segunda leva de imigrantes, constituída exclusivamente de italianos tem-se verificado em 1878. E em 1895, veio completar o círculo imigratório, um novo grupo de imigrantes, também constituído exclusivamente de italianos e, em maior quantidade que das duas vezes anteriores.

Os imigrantes que foram levados para a colonização deste Território desembarcaram em Vitória, Benevente e Itapemirim. Muitos navios, por interesse de seus comandantes que tinham por destino os portos do sul do Brasil, arbitrariamente obrigavam seus passageiros a saltar em Benevente ou Itapemirim, por puro interesse econômico.

Isso acontecia por causa das chamadas quarentenas nos portos de destino motivadas por epidemias. O comandante reduzia o percurso, economizando despesas que naturalmente embolsava. As muitas reminiscências de italianos que se fixaram no Espírito Santo contra a vontade, e que foram desembarcados desta forma, contribuíram para a popularização das sesmarias e do atual município de Alfredo Chaves.

As sesmarias foram herdadas pelos cinco filhos de Augusto e Macrina. Tempos depois, toda área de Quatinga passou a ser de propriedade do Coronel Togneri, marido do quinto filho do casal, Rita Augusta José Alves e Silva, por dote.

Devido a constantes ataques dos índios a á pequenas enchentes, os imigrantes continuavam a subir o rio e se fixavam pelos vales acima do Benevente e Batatais.

Com o anúncio da construção da Estrada de Ferro Sul do Espírito Santo (Leopoldina), levou novas esperanças aos italianos.

A colonização foi marchando progressivamente para Araguaia, Santo André, São Marcos, Matilde, Carolina, Deserto, Urânia, Maravilha e Engano (Ibitirui). Vênetos tiroleses que possivelmente estavam localizados em Iriritimirim, que tomou o nome de São José, povoaram uma parte do quarto território.

Em 1878, Dom Pedro II enviou o ministro da colonização, o engenheiro Alfredo Rodrigues Fernandes Chaves, com 21 soldados, para expulsar os índios instalados nas fazendas Togneri e Gururu.

Apoiados pelo ministro, Dr. Joaquim Adolpho Pinto Pacca, da Imperial Colônia de Rio Novo, e pelo intermédio do coronel José Togneri, os imigrantes que chegavam ao povoado eram abrigados na antiga cadeia conhecida como “Barracão dos Imigrantes ou “Hospedaria dos Imigrantes”. Mais tarde, novos grupos receberam alqueires de terra e foram morar no interior de Batatal, Carolina, Sagrada Família, São Marcos e Ribeirão do Cristo, e conseguiram abrindo picadas na mata, região montanhosa adentro.

Em 1895, o recenseamento das colônias do município acusava uma população de 5.843 habitantes, e o número de residências em 1.013 casas.

No ano de 1917, o italiano, Coronel José Togneri construiu o casarão na sede da fazenda Quatinga, que permanece preservado. A parte superior abrigava a residência, e o térreo a casa comercial Irmãos Togneri, e no subsolo as senzalas de escravos não alforriados.

Post by Viviane: [ <A HREF="http://www.fotolog.net/Viviz" TARGET=_top>http://www.fotolog.net/Viviz</A> ]




On April 01 2006 331 Views



Avatar pittycia

Pittycia On 03/04/2006

Es é tudo de bom


Avatar forever_yours

Forever_yours On 01/04/2006

Lindíssima foto!


Avatar _thaylanzanon_

_thaylanzanon_ On 01/04/2006

adoreeeei o fotologpô..tá add..add aew tbm?!!;*




espiritosanto

Favorite espiritosanto

unknown - 25/03
114 Photos
United States




Tag - Graffiti
Loading ...