Avatar compadrequelemem

"Ilha das Pedras Brancas (Ilha do Presídio), Porto Alegre, 10 de julho de 1966.Minha Querida Betinha: Ainda estou vivo. A saúde que havia chegado ao meu corpo, partiu, deixando a normalidade que você tão bem conhece. Fígado, intestinos e estômago. Espero de todo o coração que você tenha recebido as cartas anteriores.
Esta é a de número nove. Penso que a estas horas você deve estar chorando. Não quero isso. A jovem senhora, valente, das respostas desconcertantes, deve agora, substituir a moça ingênua e humilde com quem tive a felicidade de casar. Nunca pensei que o amor que tenho pelo "meu reboque" pudesse chegar aos limites de uma necessidade. Nestes últimos dias tenho sido torturado pela realidade de estar impedido de ver o rosto da mulher que amo. Eu trocaria se possível fôsse, a comida de oito dias, por oito minutos junto ao meu amor, ainda que fosse só para ver. Tenho uma fé inabalável de que, os adversários não conseguirão destruir nosso amor. Sei hoje, que você tinha razão, em muitas de nossas discussões sobre nosso tipo de vida. Você ganhou.
Espero que, no dia em que me ver livre deste cárcere em que me encontro, uma pessoa pelo menos me esperará lá fora. Que o mundo inteiro me volte as costas, mas um rosto e um sorriso amigo eu tenha: o de minha querida e idolatrada Betinha. Tenho procurado cumprir o meu dever (apesar de prêso), e tenho tanto quanto possível correspondido à confiança com que me honraram. Mas, aprendi na prisão, que o homem é demasiadamente ingrato para compreender sentimentos nobres. Tudo passará. A política, a cadeia, os amigos; só uma coisa irá durar até a morte: o amor que tenho por essa mulherzinha que é hoje, a única razão de querer viver, deste presidiário. Foi bom que isto acontecesse. Eu precisava afeiçoar-me a um outro tipo de necessidade. Só agora avalio, o que é estar junto da mulher amada. Com a tranquilidade da certeza de que apesar de tudo ainda mereço o teu amor remeto um caminhão de beijos, com o calor dos dias mais felizes de nossa vida. Do sempre teu Manoel"

Caso das mãos Amarradas. Manuelito e Betinha. O Amor e Vida contra a Morte.




On June 18 2010 23 Views



Avatar bichinhodafruta

Bichinhodafruta On 18/06/2010

QUANDO TE BEIJEI A BOCA


quando te beijei a boca
descobri que cruzaríamos sóis,
invernos,
percebi que percorreríamos infernos
em busca das águas mansas
de uma paz ainda não nascida.

a tua boca molhada e quente,
sabida de destinos,
desconhecida de rumos e
de desejos e agonia vestida,
logrou-me o artifício da segurança
e aos teus pés,
não sei se por reverencia
ou por mendigar clemência,
pus-me.

quando te beijei a boca
e tua língua de palavras roucas,
no meu ouvido
insinuaram canções,
perdi o meu caminho já antes traçado,
sabia que ficaria ao teu lado
a viajar este mundo de ilusões.

Daufen Bach


Avatar compadrequelemem

Compadrequelemem On 18/06/2010

http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/acompanhamento/resultado_pesquisa.php?selForma=NU&txtValor=200104010852029&chkMostrarBaixados=S&selOrigem=TRF&hdnRefId=b6713e56215d876da7063235c2ce8b7f&txtPalavraGerada=JURI






Tag - Amor
Loading ...