Avatar bodhidarma

Olá a todos. Venho novamente aqui para dar satisfações e encher o número de posts deste Dezembro tão magro com a minha preocupação do momento - um entorse no tornozelo. Amanhã exatamente tem tudo para ser um dia especial, é a data do exame de faixa preta no Karate esperado por mim já a alguns anos. Para não dizer que eu não sou um cândido otimista e que não há nada de bom para se tirar dessa experiência, vou apresentar alguma informação útil que é o melhor que eu posso fazer além de torcer para que vocês não torçam o pé e precisem ir a um hospital público esperar 5 horas por um Raio X.

As lesões do tornozelo estão entre os mais comuns problemas vistos por médicos em atendimento de emergência, sendo graduadas dependendo da gravidade da lesão. Grau I envolve uma lesão microscópica do ligamento. Grau II envolve uma lesão macroscópica. Grau III uma completa ruptura do ligamento.

Os ligamentos laterais do tornozelo são as estruturas mais lesadas no corpo de um atleta, correspondendo de 38 à 45% de todas as lesões sofridas. Um sexto das causas de afastamento do esporte é por entorse no tornozelo. A causa mais comum desta lesão em uma dada região varia com o esporte prevalente naquele local, desta forma, nos EUA quase 50 % dos entorses de tornozelo ocorrem durante a prática de basquetebol. Uma vez sofrido o entorse do tornozelo, a chance de um segundo episódio pode tornar-se bastante aumentada.

A ruptura ligamentar depende da direção, da velocidade e da força que age no ligamento ou nos seus pontos de fixação no momento do traumatismo. O RX pode somente mostrar a lesão quando o ligamento é rompido no osso e carrega consigo um fragmento deste, de outra maneira esta lesão passa desapercebida a este exame. Como a enorme maioria das lesões do tornozelo ocorrem no ligamento propriamente dito e não na sua isenção óssea, as radiografias habitualmente realizadas não permitem qualificar a gravidade da lesão. Para evidenciar a lesão ligamentar deve-se realizar radiografias com "stress" da articulação.

Neste caso o RX é realizado com a articulação em posição de extrema inversão (o mesmo movimento sofrido pelo tornozelo no momento do traumatismo), podendo-se observar assim uma abertura ou subluxação na articulação. Este exame está indicado para todos pacientes que apresentam entorses de repetição no tornozelo e/ou que apresente sensação de insegurança na articulação após um ou mais episódios de torção articular. Em casos agudos, ou seja, logo após um entorse do tornozelo, este exame é, na grande maioria das vezes, desnecessário, porque o seu resultado não irá dirigir o tratamento a ser instituído naquele momento.

As entorses podem envolver os ligamentos laterais, ligamentos mediais e ou a sindesmose.

Lesão do Complexo Ligamentar Lateral

O complexo ligamentar lateral é formado pelo ligamento talofibular anterior (LTFA), pelo ligamento talofibular posterior (LTFP) e pelo ligamento fibulocalcâneo (LFC).

A maioria das entorses do tornozelo envolvem o complexo ligamentar lateral, comumente associadas a atividades esportivas, especialmente em atletas entre 15 e 35 anos de idade. No exame é facilmente localizado o ponto de dor sobre os ligamentos que foram lesionados. Aumento de volume e equimose podem estar presentes no local. Os exames radiográficos são úteis para identificar alguma lesão óssea, como uma fratura ou avulsão.

Tratamento

Lesões grau I e II ocorrem nos ligamentos LFC e LTFA, e são tratadas conservadoramente, com repouso, gelo, elevação da extremidade, medicações anti-inflamatórias, por 24 a 72 horas. Após, avalia-se a estabilidade e inicia-se o tratamento fisioterápico, com retorno gradual a atividade física.

Lesões grau III freqüentemente apresentam ruptura dos LFC e do LTFA, podendo tornar-se um tornozelo instável. O tratamento conservador pode ser realizado inicialmente, com imobilização por cerca de 6 semanas, quando então inicia-se um programa de fisioterapia. Alguns autores preferem o tratamento cirúrgico em determinados pacientes, especialmente atletas de alto nível.

Aproximadamente 20% dos pacientes podem apresentar sintomas residuais de dor e instabilidade após uma lesão do tornozelo.

Lesão do Complexo Ligamentar Medial

É formado pelo deltóide superficial e profundo, sendo uma lesão muito menos comum e quando ocorre geralmente está associada a outras lesões, como da sindesmose e do complexo ligamentar lateral, usualmente com lesão parcial das fibras do deltóide superficial. A lesão isolada do deltóide deve ser tratada conservadoramente, pelo método PRICE (proteção, repouso, gelo, compressão, elevação, antiinflamatórios e fisioterapia.

<A HREF="http://www.core.med.br/pag4b.cfm" TARGET=_top>http://www.core.med.br/pag4b.cfm</A>
<A HREF="http://www.somerset-health.org.uk/pdf/southsomerset/leaflets/ankle_injury_portuguese.pdf" TARGET=_top>http://www.somerset-health.org.uk/pdf/southsomerset/leaflets/ankle_injury_portuguese.pdf</A>
<A HREF="http://www.aafp.org/afp/980201ap/wexler.html" TARGET=_top>http://www.aafp.org/afp/980201ap/wexler.html</A>
<A HREF="http://www.hughston.com/hha/a.basket.htm" TARGET=_top>http://www.hughston.com/hha/a.basket.htm</A>

Na Foto: O tornozelo.




On December 21 2006 64 Views



Default Avatar

Littera On 27/12/2006

Cara, cartão foda, né não? melhor que aquilo pra rir, só dois daquilo.Eu ria horrores de mim. E o Diego tbm adorou, embora não tenha me agradecido a risada. :PHahahahahahahahaha.Mandei pra Dessa tbm. Beijos.


Avatar littera

Littera On 24/12/2006

Querido, melhoras para o pé e feliz natal.Beijos.





Tag - Party
Loading ...